Anseditur participa de audiência pública que debate a isenção de visto de entrada no Brasil

O presidente da Associação Nacional de Secretários e Dirigentes Municipais de Turismo (Anseditur), Alexandre Pereira, participou nesta quarta-feira (12/04), em Brasília, de audiência pública da Comissão de Turismo da Câmara dos Deputados. Na pauta, a isenção de vistos para turistas oriundos da Austrália, Canadá, Estados Unidos e Japão.

 

De acordo com dados do Ministério do Turismo (MTur), em 2019 os turistas americanos gastaram no Brasil cerca de US$ 93 dólares por dia, ou seja, o equivalente a aproximadamente R$ 459 reais no câmbio de hoje. Outro dado importante do MTur dá conta de que o turismo internacional no País ainda é incipiente, se comparado a outros países. Também em 2019, o País recebeu cerca de 6,6 milhões de turistas estrangeiros. A Argentina, um país menor do que o Brasil, por exemplo, recebe anualmente 10 milhões de visitantes internacionais. A Torre Eiffel, um único ponto turístico de Paris, na França, recebe 7 milhões por ano.

O presidente da Anseditur, Alexandre Pereira, defendeu na audiência a volta da isenção do visto de entrada no país para turistas dos países citados e explica porquê. “A revogação dessa medida, que havia sido tomada no governo anterior, foi em função de que, até o momento, não havia sido detectado o aumento de visitantes desses países no Brasil depois dessa flexibilização dos vistos”, esclarece. “Acontece que, no nosso entender, isso é um trabalho que precisa ser feito a médio e longo prazo. Muitos turistas desses países nem sabem que o Brasil não exige visto de entrada. Então, tem que ser feito um trabalho conjunto, ou seja, a medida diplomática, com a isenção do visto, e a promoção casada do Brasil nesses países, de forma estratégica, junto com a Embratur, para incentivar a vinda desses turistas para o Brasil”, conclui.

O embaixador Leonardo Gorgulho, Secretário de Assuntos Consulares, Cooperação e Cultura do Ministério das Relações Exteriores esclareceu que o sistema de visto é simples e rápido e que não deverá ser um empecilho para o turista que deseja conhecer o Brasil. “Vamos fazer um sistema de visto eletrônico onde a pessoa possa obter o visto em poucos dias, sem precisar sair de casa”, explicou. “Esses países exigem também exigem visto não só do Brasil, mas entre eles e as pessoas viajam do mesmo jeito. Pedir visto não é um desestímulo ao turismo”, defendeu.

 

Também participaram da audiência o presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz; o presidente da Associação dos Cruzeiros Marítimos (Clia), Marco Ferraz; o presidente da Associação Brasileira de Turismo Receptivo (Bito), Salvador Saladino; o presidente-executivo do Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (Fohb), Orlando de Souza; e a representante do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo (Fornatur), Karine Avelar; entre outros.

C.Turismo

colunadeturismo@gmail.com