Obras do novo Polo Astronômico iniciam, com previsão de entrega para 2025

Está em andamento, em Foz do Iguaçu, as obras do novo Polo Astronômico, espaço de popularização da ciência, sob gestão do Parque Tecnológico Itaipu. Com um total de 670,92 m² em área construída, a nova estrutura receberá equipamentos de última geração.

Localizado no Ecomuseu de Itaipu, o novo Polo Astronômico receberá, além de professores e estudantes, turistas de várias partes do mundo interessados em entender mais sobre astronomia e ciência. O Polo Astronômico iniciou seu funcionamento no Parque Tecnológico Itaipu (PTI), em 2009 onde permaneceu até 2020, com o objetivo de promover a divulgação científica, educação em astronomia e pesquisa.

A atualização contempla a instalação de um novo planetário com projeções detalhadas das estrelas, galáxias e planetas. No observatório, um telescópio de maior alcance e potência garantirá a visualização dos corpos celestes que orbitam o espaço.

As obras de construção do novo Polo Astronômico tiveram início ainda em 2023, e foram contratadas juntamente com a construção de um novo atrativo no complexo do Ecomuseu, o Itaipu Energia, que totaliza 2.268,88 m² de edificação. Ao todo, somando os aportes financeiros do PTI e da Itaipu Binacional, são aproximadamente R$18 milhões de investimento nas estruturas. A expectativa é de que a construção física do Polo seja entregue no primeiro semestre de 2025. Após a instalação dos equipamentos, a previsão é de abertura para o público durante a alta temporada do mesmo ano.

Por que construir um novo espaço para o Polo Astronômico? — De acordo com o gerente de infraestrutura e serviços gerais do PTI, Rudi Eduardo Paetzold, a nova estrutura física foi necessária para comportar os novos equipamentos, bem como atender às normativas vigentes de prevenção e combate a incêndio e pânico.

O diretor de turismo do PTI, Yuri Benites, afirma que a iniciativa de incorporar o Polo Astronômico ao espaço do Ecomuseu de Itaipu, vem justamente para aproximar o local da comunidade e dos visitantes. “A reabertura do atrativo visa otimizar a experiência do visitante, que ao chegar na estrutura tem a oportunidade de conhecer dois atrativos: o Ecomuseu e o Polo Astronômico. A junção dos espaços visa atrair um público mais amplo, tanto entusiastas da astronomia quanto aqueles interessados em temas ambientais e sustentabilidade. Além disso, a união permite a realização de eventos conjuntos, como palestras, workshops ou observações astronômicas relacionadas a fenômenos celestes”.  

 

Cultura científica

O Polo Astronômico, além de incentivar o interesse das pessoas pela ciência espacial, também desempenhará um papel importante na promoção da cultura científica da tríplice fronteira. A afirmação é do diretor superintendente do PTI, Professor Irineu Colombo. “O novo espaço possibilitará que estudantes e professores tenham acesso a essa tecnologia para promover o conhecimento e a aprendizagem e também desenvolvam pesquisas na área. Com isso reafirmamos nossa missão em desenvolver projetos e ações para transformar conhecimento e inovação em bem-estar social”, afirmou.