Experiência de Turismo Regenerativo chega a Porto de Galinhas

Biofábrica de Corais, startup de ciência, vai iniciar no próximo dia 29 uma série de experiências de Turismo Regenerativo na praia de Porto de Galinhas, em Pernambuco. A iniciativa, pioneira no Brasil, é a mais nova atividade da Biofábrica, que trabalha com a transplantação de corais desde 2017.

A operação de Turismo Regenerativo será executada em parceria com duas operadoras de mergulho locais e com a Associação de Jangadeiros de Porto de Galinhas. Ao todo, serão três oportunidades oferecidas aos visitantes, que poderão plantar corais durante experiências com flutuação de snorkel, mergulho com cilindro ou mergulho livre (mergulho de snorkel). Tudo acompanhado por um fotógrafo profissional, especializado em registros subaquáticos.

A expectativa é de que, de forma gradativa, as tecnologias desenvolvidas pela área de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Biofábrica de Corais sejam ensinadas a parceiros e turistas.

O objetivo é promover conhecimento em torno da importância dos recifes de corais e da urgência de sua restauração. “As experiências foram construídas de forma a unir a ciência que praticamos no ecossistema recifal às melhores práticas do turismo regenerativo. Estamos focados em mostrar que é possível interagir com a natureza e voltar para casa deixando para trás um cenário melhor do que encontramos”, afirma o doutor Rudã Fernandes, engenheiro de pesca e CEO da Biofábrica de Corais.

Trata-se de uma experiência multidisciplinar que integra todas as áreas de atuação da Biofábrica de Corais, da transplantação de corais ao turismo. “O programa de turismo regenerativo é uma ferramenta para educar múltiplas audiências em relação à importância dos corais, enquanto financia-se a regeneração da natureza. Dessa forma, os turistas têm a oportunidade de contribuir com os pesquisadores e com a comunidade local para salvar os corais, ao mesmo tempo que dão escala às atividades dos pesquisadores”, explica Rudã.

De acordo com María Gabriela Moreno, bióloga da Biofábrica de Corais, uma das principais vantagens do turismo regenerativo é que ele permite gerar consciência ambiental enquanto oferece alternativas econômicas e ecologicamente sustentáveis para a comunidade local. “Além disso, a restauração ativa envolvida nesta atividade pode ser uma alternativa para mitigar os impactos das mudanças climáticas sobre estes ecossistemas”, acrescenta.

E para chegar na proposta atual de integração das atividades científicas com o Turismo Regenerativo, contou-se com a consultoria multidisciplinar da Amplia Mundo, liderada pela especialista em turismo de experiências e sustentabilidade, Jaqueline Gil. “Os efeitos das mudanças climáticas nos mostram, cada dia mais, que é preciso rever a forma como vivemos e encaramos a relação entre humanos e natureza. Isso inclui o turismo, que precisa ser redesenhado para promover regeneração da natureza e bem-estar das pessoas, concomitantemente. A iniciativa da Biofábrica de Corais é excepcional, porque inaugura esse novo desenho de turismo: integra vários aprendizados ao lazer de turistas. Enquanto se curte um dia no mar, jangadeando e mergulhando, também se aprende sobre mudanças climáticas, ecossistemas marinhos e se planta coral, tudo de maneira leve, segura e divertida”, diz Jaqueline.

 

Regeneração de Corais une Turistas, Cientistas e Comunidade Local 

Um diferencial da Biofábrica é que as experiências propostas, estão conectadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, metas que visam estimular ações para acabar com a pobreza, proteger a natureza e garantir que, até 2030, todas as pessoas desfrutem de paz e prosperidade.

A operação de Turismo Regenerativo da Biofábrica de Corais foi pensada a partir de uma abordagem multidisciplinar que envolve a comunidade local, como jangadeiros, mergulhadores e agentes de turismo. Juntos, eles recebem capacitação nas áreas de biodiversidade recifal e emergência climática, e participam do planejamento e da execução das atividades.

A atividade também vai gerar um impacto econômico positivo na comunidade. Os jangadeiros que integram o programa receberão 50% mais recursos por turista em comparação às atividades tradicionais desempenhadas atualmente. O programa também estima que cada 1 real investido em restauração recifal resultará na transferência de pelo menos 2,5 reais para a comunidade local – jangadeiros, mergulhadores, guias e afins.

“Para que a conservação aconteça, estamos focando em criar mecanismos para integrar a conservação com as atividades econômicas locais. Precisamos gerar valor percebido para as pessoas que dependem dos corais, onde fique claro para os mesmos, que no fim das contas, é muito mais vantajoso preservar que degradar, assim, é preciso acelerar as ações de regeneração da natureza. Todos saem ganhando”, afirma Rudã.

Fundação Grupo Boticário, WWF e Instituto Neoenergia apostam na regeneração dos corais

O caminho para poder implementar o programa de turismo regenerativo foi iniciado em 2018. A ação conta com o apoio de instituições de peso, como a Fundação Grupo Boticário, por meio do projeto Coalizão pelos Corais, que tem como objetivo a execução de um programa de turismo científico para engajar a comunidade local na resolução do problema da degradação recifal e na demanda dos turistas por novas atividades.

“Acreditamos que o turismo responsável seja um dos meios mais eficientes para conscientizar e mobilizar as pessoas a favor da natureza. Visitar, conhecer e entender a importância daquele ecossistema para a biodiversidade, para o bem-estar e para o desenvolvimento socioeconômico de comunidades locais fazem com que o turista volte para casa transformado, consciente de que, mesmo a lazer, ele pode fazer a diferença. Certamente, é o tipo de experiência que é levado para a vida”, afirma Emerson Antonio de Oliveira, gerente de Conservação da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário.

Já o Projeto Coralizar, que visa restaurar corais na região Nordeste do Brasil, é uma iniciativa da WWF-Brasil e do Instituto Neoenergia que possibilitou a implantação de parte significativa da estrutura necessária para a realização das atividades turísticas. De acordo com Vinícius Nora, analista de conservação do WWF-Brasil, os berçários de corais são fundamentais para o planejamento e desenvolvimento de técnicas de restauração de corais em larga escala e de forma sustentável. “Assim, teremos uma metodologia com bases científicas seguras, para manejar espécies em risco e, ao mesmo tempo, desenvolver a atividade em conjunto com o mercado de turismo, empresas, setor acadêmico e instituições parceiras. Além disso, estamos fomentando novos modelos de negócios, garantindo a sustentabilidade financeira de iniciativas de restauração de corais e gerando impacto positivo ao turismo nos recifes de corais”explica Nora.

Além disso, o Projeto Coralizar possibilitou suporte técnico, científico e operacional, a partir das parcerias com o Instituto Nautilus, com o apoio das instituições UFPE (Universidade Federal de Pernambuco), UFRPE (Universidade Federal Rural de Pernambuco), através do corpo técnico LABPIER-UFPE (Laboratório de Pesquisa em Ictiologia e Ecologia de Recifes), LABENZ-UFPE (Laboratório de Enzimologia Luiz Accioly), LIM-UFRPE (Laboratório de Invertebrados Marinhos), LABIO-LACEM (Grupo de Pesquisa em Antozoários) e LECEM-UFRPE, além do apoio da Associação dos Jangadeiros de Porto de Galinhas.

“Preservar nossos corais é preservar nosso Patrimônio Natural, e o Instituto Neoenergia, por meio do Projeto Coralizar, contribui para a conservação dos corais e dos oceanos”, afirma Renata Chagas, diretora do Instituto Neoenergia.

CNPq, via o programa RHAE, tem possibilitado a Biofábrica de Corais a incorporar profissionais estratégicos em seu time para ajudar a montar as operações relacionadas à implementação do programa. E o Polo Tecnológico e Criativo da UFPE, também chamado de Polo TeC, é o ambiente industrial, tecnológico e criativo da Universidade Federal de Pernambuco, onde a startup é incubada.

Atividades de Turismo Regenerativo da Biofábrica de Corais

1)   Imersão Oceânica: um mergulho no mundo dos corais

2)   Propósito Recifal: uma experiência única com jangada, flutuação, coral e ciência

3)   Liberdade Azul: um registro memorável de sua experiência de regenerar corais

C.Turismo

colunadeturismo@gmail.com